domingo, 24 de novembro de 2013

A ESCOLA PRIMÁRIA DE TORRE DE DONA CHAMA



Foto do autor

Muitos da minha geração concluíram o antigo ciclo preparatório no edifício, sito na Rua Dr. Bonfim das Neves [WGS84 (graus decimais): lat.: 41.655292º, long.: -7.127487º], que actualmente serve de instalações à Junta de Freguesia de Torre de Dona Chama e outos serviços públicos.
Contudo, tal edifício centenário foi construído para o ensino primário.
Vale a pena fazer uma breve resenha histórica sobre a sua construção.
O ensino primário oficial, na Torre de Dona Chama, naturalmente, começou muito antes da construção deste edifício.
Já em 9 de Fevereiro de 1832, o Diário do Governo dava conta da abertura de um concurso para “a Cadeira das Primeiras Letras da Torre de D. Chama, na Provedoria de Moncorvo, com o Ordenado anual de 90$000 rs.”.
Na “Colecção dos Relatorios das Visitas feitas aos Districtos pelos respectivos Governadores Civis em virtude da Portaria de 1 de Agosto de 1866, 1868, Lisboa: Imprensa Nacional”, em que se faz um cenário muito negativo da “instrucção publica” no distrito de Bragança (“pessimas casas de escolas e mau pessoal”), referencia-se António Bernardo Mendes como professor da escola nocturna para adultos, a qual, contudo, ainda não se tinha conseguido abrir “pela nenhuma capacidade da casa”.
A construção da escola primária de Torre de Dona Chama teve início em 1905, fazendo parte de um conjunto de 184 escolas, cujo concurso público foi lançado em finais de séc. XIX.
Tal concurso veio a ser ganho pelo arquitecto Adães Bermudes, com um projecto que viria a obter a medalha de ouro da Secção Escolar, na Exposição Universal de Paris 1900.


Imagem retirada de osafifinhos.blogspot.com


Tal projecto tipo era constituído por um corpo central mais elevado, que se destinava a casa dos professores e duas salas onde se separavam os dois sexos.
Característica das escolas Adães Bermudes, ausente porém no projecto de Torre de Dona Chama, era a existência de uma ou mais torre sineira, o que as tornou popularmente conhecidas como as “escolas dos sininhos”.
A finalização da construção da escola primária de Torre de Dona Chama foi de difícil gestação, arrastando-se por vários anos.
Disso nos dá conta o Jornal “Torre de Dona Chama(sobre o qual se pode consultar neste blog “A Imprensa Torreense no Alvor Republicano – Parte I”), na sua edição de 30.06.1911, referindo que “(…) no largo da feira, mesmo à beirinha da estrada, uma casa construída pelo plano Bermudes (…) não está concluida por faltarem os trabalhos de trolha e pouco mais, cuja casa disem é destinada a escola primaria dos dois sexos”.
E o impasse mantinha-se em 1913, como é referido na edição de 1.03.1913 do mesmo Jornal, em que o seu Director “achava conveniente que muito respeitosamente se representasse ao Ex.mo Ministro do Interior para que se digne dar por findo o edifício para a instrução primaria, que á oito anos lhe foi dado começo e que até hoje não se acha dado ás funções a que ia ser destinado!”.
Já em 1915, o Jornal “Éco de D. Chama (ver neste blog, “A Imprensa Torreense no Alvor Republicano – Parte II”), no seu nº 1, de 21.03.1915, referia que “existe nesta vila um edificio escolar em construção. Há mais de seis anos que ali os trabalhos estão paralisados dando o resultado do referido edificio estar numa demolição constante em virtude de não estar completamente coberto, nem ter vidros nas janelas”.


Digitalização do autor


A edição do mesmo Jornal, de 18.04.1915, insiste na necessidade de acabamento do edifício, uma vez que “uma das suas salas está transformada numa retrete sempre à disposição do vulgo ignorante”.
Desconhece-se a data em que o edifício ficou construído, sendo que é crível que as dificuldades da 1ª Grande Guerra (1914-1918) não tenham permitido a sua conclusão nesse período.


Foto SIPA


Do ponto de vista arquitectónico, o edifício da escola primária de Torre de Dona Chama é de planta rectangular, composta por três volumes escalonados, sendo o mais alto destinado à residência dos dois professores.
Na fachada principal, o edifício é rasgado por vãos em arco abatido no piso inferior, de aduelas calçadas, simples, em tijolo e pedra de fecho em cantaria e rectilíneos no superior, com moldura na verga e parte superior da ombreira em cantaria de granito, típico da região nortenha, com pedra de fecho saliente.
O corpo central possui, no piso térreo, duas janelas centrais e duas portas, para individualizar as dependências dos professores, a que correspondem, no superior, quatro janelas.


Foto SIPA


Os volumes laterais são constituídos por duas salas de aula, antecedidas por vestíbulos.
Nas fachadas laterais surgem três lumes escalonados com moldura comum. 
Cada uma das salas de aula possui três amplas janelas em arco abatido, que permitem a iluminação unilateral daquele espaço de estudo.


Foto SIPA


Junto à fachada posterior desenvolve-se amplo pátio, murado, que constituía a zona de recreio.
A fachada posterior é composta por corpo central de dois pisos, separados por friso de cantaria, rasgada no primeiro por duas portas de verga recta, precedidas de um degrau, ladeando corpo saliente, mais baixo, com cobertura prolongada lateralmente de modo a criar alpendre sobre as portas; no segundo piso abrem-se duas janelas iguais às da fachada principal; nas alas laterais, rasgam-se duas janelas de peitoril, sem moldura e gradeadas e, sob o alpendre, assente em pilares de cantaria, uma porta de verga recta.


Imagem retirada do blog contamecomoera.blogspot.com


Muitos dos nossos antepassados aprenderam neste edifício as primeiras letras, ensinadas por dedicados professores.
Embora o ensino primário ainda não funcionasse no edifício de que vimos falando, ficam aqui alguns registos dos professores e alunos que a imprensa local noticiou, nos inícios do séc. XX:
Em Março de 1915 era professora do sexo masculino a Sra. Dª Rita Ribeiro Gonçalves (Jornal “Éco de D. Chama”, Edição de 28.03.1915) e em Maio de 1915, era professora do sexo feminino a Sra. Dª Amélia das Dôres Mendes de Macedo (Jornal “Éco de D. Chama”, Edição de 23.05.1915).
Em Julho de 1915 fizeram exame do 1º grau os alunos Genuina da Luz Andrade (bom); Esperança de Jesus Carvalho (suficiente); Maria Carlota de Sampaio Melo (suficiente); Maria Inácia Correia (suficiente); Maria Luiza Fernandes (suficiente); António Joaquim Reimão (bom); Francisco da Anunciação de Sá (bom); Francisco da Ressureição Lobão (bom); Manoel Joaquim Peleias (bom) e Luiz António Nogueira (suficiente) – Jornal “Éco de D. Chama”, Edição de 23.07.1915.

Foto SIPA

Tendo servido ao longo dos anos como escola primária, já na segunda metade do séc. XX, passou a funcionar no edifício o então Ciclo Preparatório (actuais 5º e 6º anos de escolaridade), tendo aí estudado os nascidos, como eu, na década de 60.
Nessa data, foi construído um corpo anexo ao edifício originário, no qual funciona, actualmente, o serviço de correios.
Após alguns anos de abandono, com a construção de novas escolas, o edifício veio a ser utilizado, já década de noventa, como Junta de Freguesia e outros serviços públicos.


Foto do Autor

Aqui ficam algumas notas sobre o edifício da escola primária, actual Junta de Freguesia, com o desejo de que os vindouros o saibam preservar, como importante e emblemático edifício da Vila de Torre de Dona Chama.

domingo, 15 de setembro de 2013

AS FEIRAS DE TORRE DE DONA CHAMA

A Idade Média trouxe o advento das feiras, com as características semelhantes às que ainda hoje conhecemos.
As feiras eram, nessa altura, a expressão mais significativa do comércio interno português.

Abandonadas as ideias de auto-suficiência, as feiras passaram a regular um vasto leque de actividades, abrindo as portas a todos aqueles que intervinham na actividade comercial, desde quem produz a quem consome, passando por quem distribui.

No que à distribuição diz respeito, numa época em que as comunicações eram limitadas, os almocreves eram essenciais ao abastecimento de bens às vilas e cidade, funcionando ainda como elo de ligação intercomunitária.




A almocrevaria, ao longo da Idade Média, constituiu a “coluna vertebral” do comércio português.

Os almocreves trabalhavam durante todo o ano, pelo que provocavam uma circulação económica permanente.
Circulavam sozinhos, utilizando como meio de deslocação bestas, machos e mulas, tendo como sua maior limitação a quantidade reduzida de carga que podiam transportar e como privilégio principal o direito de porte de arma.

À época, uma das rotas de abastecimento mais importantes era a que levava almocreves a transportar peixe para o interior e, no sentido inverso, cereais.

Entre a formação do Reino de Portugal e o reinado de D. João III, o número de feiras era escasso. 
Eram criadas através de cartas de foral e eram uma prerrogativa régia.

A primeira feira a surgir regulamentada e individualizada foi a de Castelo de Mendo, em 1229, que se realizava três vezes por ano durante oito dias.

Com D Afonso III, surge um novo documento que regulamenta a sua existência: as cartas de feira. 
Estas conduziram ao aumento dos privilégios das feiras, tendo esta política sido continuada por D. Dinis, monarca responsável pela criação das primeiras feiras francas e pela concessão de diversos privilégios aos participantes nas feiras, o que proporcionou o seu desenvolvimento.

Desconhece-se a origem da feira de Torre de Dona Chama.
Virgínia Rau, historiadora que melhor estudou sobre as feiras medievais, não a menciona nos seus trabalhos.

Todavia, a descrição dos direitos de portagem mencionada no foral de D. Manuel (1512) sugere que, nessa altura, Torre de Dona Chama era já um importante local de trocas.

Em qualquer caso, é certo que, desde finais do Séc. XVII, a feira de Torre de Dona Chama passou a ser a mais importante de Trás-os-Montes e uma das melhores do reino.

Disso nos dá conta Maria da Piedade Braga Santos, historiadora que estudou em particular as feiras de Torre de Dona Chama, na sua tese de mestrado, apresentada em 1988, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Faculdade Nova de Lisboa, intitulada “As Feiras de Torre de Dona Chama (1730-1830), Comércio Inter-Regional e Mercados Rurais”.

Forte componente deste estudo foi a análise dos rendimentos dos portos secos transmontanos (situados na fronteira terrestre, por oposição aos portos molhados que, naturalmente, se situavam junto ao mar), mormente o de Vinhais, a que a aduana de Torre de Dona Chama se encontrava adstrita.

Todavia, a aduana de Torre de Dona Chama, embora não permanente e existente por causa da sua feira mensal, tinha um volume de receita bastante mais elevado que outros portos secos de funcionamento diário, justificando vir mencionada à parte nos livros do erário – vd. http://digitarq.dgarq.gov.pt/details?id=4181687.

O primeiro livro de receita data de 1697, referenciando a feira de Torre de Dona Chama como uma feira de gado.

As Memórias Paroquiais (colecção de respostas dos párocos locais a um questionário, encomendado pelo Marquês de Pombal, através do qual se pretendia obter informações sobre as paróquias, abrangendo a totalidade do território continental português) referem que a Torre de Dona Chama, por esta altura, tinha feira “aos cinco de cada mês em todo o anno”. 

Mais esclarecem que “Nam dura mais de hum dia, somente no mês de Novembro dura dous dias. Hé forra e franca das mais antíguas e milhores da Provincia, de cada mês e foi das feiras de mês das milhores do Reino”. 

Por fim, informam que “Nam se paga siza das compras e vendas de gados e mais mercancias, nem pedidos, somente os contratantes que pousam nas ruas della pagam por cada carga huns reais ao senhor da villa”.


Porém, relativamente à Feira dos Santos, em 1752, o Juiz Ordinário, oficiais e demais povo da Vila, pedem ao rei D. José autorização para transformar a feira de Novembro em feira de ano, por força da afluência de pessoas que a ela acorriam, o que a “tornava tão famigerada que a ella concorria toda aquella Província, mais a maior parte da Beira e Minho”.

Todavia, é referido na petição dirigida ao rei que, “como dura apenas um dia é mais prejudicial do que útil aos que a ella vem comprar ou vender, porque no limitado tempo de um dia de Inverno nem os mercadores o tinham para desemfardar nem para enfardar as suas fazendas, nem os compradores para enformar-se bem das coalidades dellas, e seria útil que asi fizesse de três dias, a saber, nos dias 4, 5 e 6 do dito mêz de Novembro”.

Não se deixa de estranhar a discrepância que existe entre a Memória de Torre de Dona Chama e esta petição dirigida ao rei, quanto ao número de dias que a Feira dos Santos tinha por esta altura (um dia, segundo a petição, dois dias segundo as Memórias Paroquiais), admitindo-se, como hipótese, que a perspectiva da autorização de fazer feira por três dias, entusiasmasse os da Torre a fazer feira por dois dias, ainda que sem autorização expressa.

Em qualquer caso, D. José aceitou o pedido de alargamento para três dias da Feira dos Santos, que, assim, se tornou uma verdadeira feira anual.

 


Por esta altura, a feira de Torre de Dona Chama era considerada a melhor feira de Trás-os-Montes (MENDES, J. A. Amado – Trás-os-Montes no final do Século XVIII, Segundo um manuscrito de 1796 de Columbano Ribeiro de Castro, Coimbra: Instituto de Investigação Científica, 1981, p. 559) e uma das melhores feiras francas do país (Branco, I. A. F. (2009). Mirandela Setecentista. Tese de Doutoramento em História).

Mas a feira não se circunscreve à economia interna, sendo bastante frequentada pelos almocreves galegos, os quais introduzem produtos mais elaborados, como arreios para as bestas de transporte de trabalho e utensílios caseiros, como o pote e o talher de ferro, levando de volta, entre outros produtos, toalhas mirandesas e amêndoa doce algarvia.

Por sua vez, os almocreves de Leão (referidos como castelhanos pelos oficiais da alfândega) vendem varas de estopa e estamenha, levando sal, vinho e azeite.

Ainda sobre os produtos transaccionados nas feiras da Torre, Maria da Piedade Braga Santos (ob. cit.) refere que “Durante a primeira fase de evolução da feira os produtos dominantes eram o ferro, trazido pelos galegos, e o sal que levavam como retorno. A partir de finais da década de sessenta, o âmbito comercial da feira alarga-se: vinho, azeite e gado afluem quantidades crescentes”.

Segundo a mesma historiadora, as feiras de Inverno eram as mais concorridas. “Destacam-se Novembro e Março: antes de cada sementeira o camponês vem à feira abastecer-se de artigos indispensáveis ou, se é também almocreve aproveita não ter que fazer na sua leira de terra, para ganhar moedas suficientes ao pagamento das rendas e dos impostos”.

Em finais do Séc. XVIII, “a Tôrre de D. Chama seria já um centro importante de comércio de bois, tal qual a feira dos Chãos, no têrmo de Bragança (Descripção da Província de Trás os Montes, na Illust.Trasm., 1908, pág. 82).

Porém, após um século de crescimento, no início do Séc. XIX, a feira de Torre de Dona Chama, com a crise e a depressão que se instalam no território português, sobretudo no interior, inverte a fase de progressão, sendo abandonada pelos raianos e perdendo importância, anunciando a perda da sede administrativa da Vila.

Contudo, apesar de ter adormecido, tal como a própria Vila, que perdeu o estatuto de sede de concelho em 1855, não deixou de manter importância regional, mormente no que ao gado diz respeito.

Disso nos dá conta Vergílio Taborda, na sua tese de doutoramento em Ciências Agrárias (“Alto Trás-os-Montes, Estudo Geográfico”, publicada pela Imprensa da Universidade de Coimbra, em versão fac-similada da edição de 1932), já no Séc. XX, ao referir que “Ao lado das grandes feiras de bois dos planaltos do norte – o Naso, na terra de Miranda, Bragança, Chãos, Chacim – a Tôrre de D. Chama, na fronteira da terra quente, reüne, em certas ocasiões no seu imenso toural mais de um milhar de cabeças” e ainda sobre o gado ovino, “Na bacia média do Tua se confina a melhor criação; as feiras de Mirandela e Tôrre de D. Chama reünem milhares de cabeças e são os maiores centros de comércio de gado lanar de tôda a província”.




Exemplo de alguma importância que as feiras da Torre mantinham no comércio regional, nos finais Séc. XIX, dá-nos a edição de 6.Março.1838, do Jornal “O Ecco”, na “Parte Official”, com a notícia da Portaria (Reino), de 1.Março.1938, dirigida ao Administrador-Geral de Bragança, em resposta ao seu ofício “em que parte de ter um bando se salteadores, que infestão o Concelho de Vinhaes, e immediações, roubado algumas pessoas na ida, e vinda da Feira da Torre de D. Chama; ordenando-lhe, que, requisitando ás authoridades militares a força, que julgar necessária, faça na occasião da feira rondar a estrada, de modo que se possa livremente transitar”.

Assim, a fama das feiras da Torre de Dona Chama ressurge no início do Séc. XX.

Disso faz eco a imprensa local (sobre a imprensa de Torre de Dona Chama, ver o artigo deste blog “A Imprensa Torreense no Alvor Republicano”), mormente o Jornal “A Torre D. Chama”, na sua edição nº 8, de 30.06.1911, ao reportar o desejo da Vila e das povoações que a rodeiam, que as Feiras dos Santos (Novembro) e dos Reis (Janeiro), “as mais importantes de todo o anno”, tivessem mais do que um dia (5 e 6), sugerindo à Junta da Paróquia que intercedesse por tal melhoramento junto do Governador Civil.

O assunto é retomado, em 1.02.1913, na edição nº 9 do Jornal (a edição do Jornal teve um longo interregno), perante a inércia da Comissão Paroquial, acrescentando-se ainda o desejo de que as Feiras se realizassem também ao Domingo (quando o dia 5 seja Domingo).




Reedita-se, assim, o desejo das gentes da Torre de Dona Chama de que as suas feiras principais fossem alargadas no número de dias.
Surge também a discussão, que ainda hoje se mantém, sobre a realização da feira ao Domingo quando o dia de feira cai num Domingo.

Também em pleno Séc. XX, a feira mensal passou-se a fazer duas vezes por mês (a 5 e a 17), apesar do comércio local e regional se modificar, surgindo o conceito de mercado, mais restrito aos compradores locais, a que Torre de Dona Chama não fugiu.




No plano sociológico, vale a pena aqui falar da importância que as feiras tinham nesta altura.

Espaços de socialização, onde a festa, a animação e até o excesso tinham o seu lugar, as feiras eram sobretudo um espaço de representação social, onde se exibiam os melhores fatos bem como os melhores animais, ainda que não estivessem à venda.

Não custa imaginar uma qualquer taberna da época, como a do Arnaldinho, dentro da qual, após uns quantos quartilhos de vinho, se discutiam os assuntos da terra, discussão levada tanto a peito que até se chegava, por vezes, a vias de facto, dando uso aos indispensáveis cajados.

Actualmente, a feira de Torre de Dona Chama faz-se em espaço próprio, um tanto longe das principais ruas da Vila.




Algumas das questões que se levantaram, como vimos, ao longo da sua história, permanecem hoje em discussão para as feiras da Torre: devem ou não ser efectuadas ao Domingo; devem continuar a fazer-se, num recinto próprio, com condições mais apropriadas para os feirantes, mas desgarrado dos centros de comércio local e da restauração; as feiras dos Santos e dos Reis devem, ou não, ter mais que um dia.


São questões às quais os decisores políticos, mormente aqueles que estão prestes a ser eleitos, não podem fugir, ponderando, como é mister da coisa pública, qual as melhores soluções, tendo em vista, não os interesses particulares, mas antes o interesse público.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Barragens garantem 900 mil euros para projectos sociais







Fonte: Agência Lusa

"Os projetos sociais existentes nas zonas das novas barragens portuguesas podem candidatar-se a partir de hoje ao apoio de um programa da EDP, que em cinco anos já disponibilizou 900 mil euros.
A elétrica nacional lançou hoje a quinta edição do "EDP Solidária Barragens" que já apoiou, em anos anteriores, 32 projetos sociais que beneficiaram cerca de sete mil pessoas, segundo divulgou a empresa.
O orçamento para a edição deste ano é de 200 mil euros, que somados às anteriores, totalizam um montante global de 900 mil euros disponibilizados para este programa que abrange, sobretudo a região de Trás-os-Montes, onde estão em construção as barragens do Tua e do Sabor.
O prazo para candidaturas começa hoje e termina a 15 de julho, "mantendo-se os critérios de seleção que privilegiam o número de pessoas beneficiadas, sustentabilidade e relevância social", indica a empresa.
O programa foi criado para "apoiar a melhoria da qualidade de vida das populações abrangidas pelos investimentos da EDP em novos projetos hidroelétricos " e a área elegível estende-se por 15 concelhos.
Podem candidatar-se a este apoio projetos sociais de Alfândega da Fé, Alijó, Carrazeda de Ansiães, Macedo de Cavaleiros, Mirandela, Mogadouro, Murça, Torre de Moncorvo, Vila Flor, Amarante, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Ribeira de Pena, Mondim de Basto, Sever do Vouga, Oliveira de Frades, São Pedro do Sul, Vale de Cambra e Vieira do Minho".



Óptima oportunidade para algumas entidades colectivas, como o Centro Social e Paroquial de ou a Associação Cultural e Recreativa de Torre de Dona Chama, poder obter verbas para valorização do seu património ou actividades.
Nos anos anteriores, foram atribuídas verbas a projectos afectos a entidades similares…

Não da Torre, que normalmente dorme na forma…

domingo, 2 de junho de 2013

QUARTEL DA GNR DE TORRE DE DONA CHAMA



         
  

                  Agora é de vez…!







Foi publicado em Diário da República, no passado dia 28 de Maio, o concurso público para Reabilitação e Adaptação do Edifício da Casa do Povo a Posto da G.N.R. de Torre de Dona Chama.


Ver aqui o DR, II série







O valor do preço base do procedimento é de €496.100,00 e o prazo contratual de execução é de 180 dias.
Por isso, se não houver problemas concursais, ou orçamentais, é crível que, pelo menos no primeiro semestre de 2014, a obra esteja concluída.




Para além de tornar realidade o que, durante muitos anos, parecia não passar de anúncio panfletário, esta decisão (assim se espera) afasta a possibilidade da Torre de Dona Chama perder mais um serviço público.



Actualização (3 de Janeiro de 2015):

Apesar de mais um atraso significativo, as obras lá começaram.
Agora é mesmo de vez...

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Igreja de Guide Requalificada

Igreja de Guide vai ser requalificada




“Vários monumentos dos cinco concelhos abrangidos pela construção da barragem de Foz-Tua vão ser requalificados e valorizados até 2015.

Trata-se de um investimento de um milhão e seiscentos mil euros da EDP, no âmbito das contrapartidas da Eléctrica Nacional à Região do Vale do Tua. O protocolo entre as diversas entidades envolvidas foi assinado, na passada sexta-feira, em Mirandela, com a presença do secretário de Estado da Cultura. O protocolo rege a intervenção que envolve a EDP, a Direcção Regional da Cultura do Norte e a Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua. Trata-se de uma das contrapartidas da construção da barragem de Foz-Tua e da consequente submersão de 16 quilómetros da centenária linha ferroviária. A EDP compromete-se a financiar em um milhão e seiscentos mil euros, a requalificação e valorização de vários monumentos sinalizados pela Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua. Sérgio Figueiredo, da EDP, sublinha a importância deste projecto. O Secretário de Estado da Cultura entende que este projecto é uma mais valia para o desenvolvimento harmonioso do território e Jorge Barreto Xavier faz questão de elogiar a capacidade de consenso dos cinco autarcas da região neste processo. Para o presidente do conselho de administração da Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua, José Luís Correia, este investimento, apesar de ser uma gota no oceano na globalidade dos projectos que ainda vão avançar na região, é muito importante, porque sem esta verba seria impossível pensar em valorizar estes monumentos.
Refira-se que, no âmbito da contrapartida pela construção da barragem está prevista a criação do parque natural do Vale do Tua e um plano de mobilidade como alternativa à submersão de 16 quilómetros da Linha do Tua. No protocolo está prevista a requalificação do Santuário do Senhor de Perafita, a ponte e via medieval de São Mamede de Ribatua, ambos localizados em Alijó, a Capela da Misericórdia de Murça, o Cabeço da Mina no concelho de Vila Flor, o Castelo de Ansiães e a Igreja da Lavandeira, no concelho de Carrazeda de Ansiães e a requalificação das igrejas de Abambres, Guide e Avantos no município de Mirandela”.
Escrito por Terra Quente (CIR)


Regista-se que as contrapartidas da construção da barragem Foz-Tua possam servir para a requalificação do património da região “afectada”, na parte que mais nos toca, a Igreja de Guide, classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público, pelo Decreto n.º 129/77, DR, I Série, n.º 226, de 29-09-1977.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

EXCERTOS DA TORRE



Mais um conjunto de imagens da Torre de Dona Chama.
É possível nelas ver uma terra ainda marcada por um certo ar nobre decadente e uma modernidade ainda algo indefinida.
Não deixa, contudo, de ser uma terra que orgulha os que nela vivem e nela nasceram e pronta a receber aqueles que a queiram visitar.



Um passado nobre, cada vez mais distante, mistura-se com  um presente ajustado aos tempos de hoje...



Largo da Berrôa - À procura de um novo visual...


Casa António Gonçalves - A velha Torre à espera de uma nova vida...


Casa Dr. Castro




Casa Dr. Bonfim

Casa Dona Chama






Antiga Escola Primária - Actual Posto da GNR







Antiga Casa do Povo - Futuro Quartel da GNR





Busto de Lucas Pires - Homenagem da Torre paterna






Centro Social Paroquial - Lar Sénior






Unidade de Saúde






Antigo Edifício Escolar - Actual Junta de Freguesia






Colégio Privado - Ensino Pré-Escolar, Básico, Secundário e Profissional






Antigo "Prado" - Actual Jardim








Terra de Azeite






E de Pão - Fábrica de Moagem






"Torre Nova"






Jardim Infantil






Antigo Lavadouro - "Tanque"







Recinto Desportivo - Largo da Feira







Quartel Bombeiros







Campo de Futebol - Os templos gloriosos vão longínquos






Largo da Berrôa